Honorários de advogados/advogados/preços

Honorários de advogados/advogados/preços

Atendendo a que este blogue é em regra polémico; atendendo a que todas as profissões são controversas e se revestem de certo grau de incoerência; atendendo a que sempre deveremos clamar por um padrão de razoabilidade no trabalho e na vida; atendendo a que devemos defender esse mesmo padrão e reclamá-lo em sede própria; atendendo a que a constituição desse mesmo padrão, na ausência do nosso fatal discernimento, deve obedecer a princípios pré-jurídicos e constitucionais, surge hoje o presente artigo sob a epígrafe:

HONORÁRIOS DE ADVOGADOS

Ora, todos temos direito de acesso à justiça, plasmada nas diversas naturezas de tribunais, bem como, à pré-justiça, plasmada no acesso ao direito e a consultas jurídicas. Isto não acontece por acaso, pois estamos perante a concretização do princípio da tutela jurisdicional efetiva, previsto na parte concernente a direitos, liberdades e garantias do cidadão ex vi do art.º 20.º da CRP. Este preceito está estritamente correlacionado com o art.º 268.º, n.º 4, do diploma em cogitação, quando as situações que advêm ao cidadão se ficam pela via administrativa.

Por outras palavras, independentemente da sua qualidade económica, todos temos o acesso à via administrativa ou contenciosa, bem como, a ser informados previamente e no decurso de eventual processo, sobre o direito e a situação em concreto.

Somos com reiterada frequência interpelados por pessoas carecidas de informações jurídicas, designadamente, porque recebem um inadvertido auto de notícia e pretendem impugnar, porque recebem um indeferimento daquele ato e pretendem recorrer, porque recebem uma notificação de uma entidade administrativa e pretendem reagir, porque alguém lhes moveu uma ação e pretendem ser informados, quiçá contestar, ou mesmo, porque pretendem mover uma ação para fazer valer um determinado direito. Enfim, existe uma grande panóplia hipotética de situações na vida que nos infligem a necessidade de recurso ao direito e aos tribunais, sendo que, na sociedade em que hoje nos inserimos, dificilmente se resolverão as questões de forma extrajudicial – resolvem-se por vezes, mas já depois das partes serem chamadas à demanda.

Quando tal acontece, devemos ter a perceção do que é de natureza administrativa, e o que é de natureza judicial. Caso estejamos perante situações provenientes de organismos da administração pública, verbi gratia, câmaras, serviços de finanças, conservatórias, segurança social e outros congéneres, a primeira situação a fazer quando somos notificados, é o recurso a esse mesmo serviço, sendo que, o funcionário está adstrito aos deveres de informação e colaboração, consignados  tanto no CPA como na LGT, e que têm como suporte a Carta de ética e imparcialidade que o funcionário subscreveu, investido que é de funções públicas. Ora, se pretendemos reagir contra o ato administrativo, quando o mesmo se reveste da simplicidade de termos, à semelhança da reclamação graciosa ou do recurso hierárquico, e essencialmente no que concerne ao primeiro instituto, sempre defendemos, que os serviços poderão apoiar o cidadão carenciado, já que o comum, é ajudar o mais abastado.

Na ausência de tais ajudas, e nos processos judiciais a mover contra os serviços, designadamente, no âmbito da impugnação judicial, da reclamação contra decisões administrativas, medidas cautelares, embargos de terceiro e outros similares, e ainda nos processos de natureza eminentemente judicial, quando o cidadão não dispõe de recursos económicos suficientes, deverá dirigir-se à segurança social e manifestar comprovadamente a necessidade de tal apoio.

Perante isto, o serviço público por onde pende o processo, deverá sustá-lo, até que tal necessidade seja suprida pela segurança social, nomeadamente com a nomeação de patrono para representação do interessado em qualquer ação. Existe uma rede de advogados aderentes ao sistema da proteção jurídica, no qual se consagram as preditas necessidades do cidadão carenciado. Depois, sempre existem situações de patrocínio judiciário obrigatório, cuja inobservância constitui uma exceção dilatória, geradora da absolvição da instância do demandado. Significa isto, que mesmo por abundância de literacia específica, o cidadão terá de nomear mandatário judicial para o representar processualmente e em juízo.

Porém, sem pretender ferir a sensibilidade daqueles profissionais forenses, que merecem a mesma dignidade imputada àqueles que dispõem de grandes escritórios no regime de transparência fiscal, e não só, existem outros especializados, para defender os cidadãos em causas mais invulgares, sendo certo, que tais interessados não beneficiam do regime da proteção jurídica.

Compreendemos que as causas são por vezes tão inusitadas, que somente um advogado da especialidade é suscetível de defender o cidadão. Mas resta saber, se existem limites à prática de honorários por parte dos patronos judiciários.

Vejamos:

– Segundo um aresto proveniente do Tribunal da Relação de Évora, de 9 de novembro de 2017, proc.º n.º 098/15.3T8FAR.E1,

  1. Os honorários de advogado devem obedecer ao princípio geral da adequação aos serviços prestados, independentemente da ocorrência de um acordo prévio com o cliente acerca do seu modo de fixação.
  2. Acordado o pagamento de honorários de advogado à razão de valor/hora, tal refere-se ao trabalho intelectual complexo que geralmente caracteriza a actividade do advogado, não se devendo remunerar pelo mesmo valor o trabalho meramente burocrático.
  3. É dever do advogado prestar ao cliente, sempre que este o solicitar, informação sobre o andamento das questões que lhe estão confiadas, e não cessar, sem motivo justificado, o seu patrocínio.

Ora, o que se extrai deste acórdão, e bem assim do Estatuto da OA, é que, apesar de não ser obrigatório publicar quaisquer preços, os advogados deverão afixar nos seus escritórios e em local visível, os critérios de fixação dos seus honorários, como constituem exemplos, a importância do serviço prestado, a dificuldade e urgência, o esforço intelectual, o tempo despendido, e o resultado obtido. Devemos ter presente, que as prerrogativas que existem ao alcance do cidadão para reagir contra um funcionário, são as mesmas que existem relativamente ao advogado, sujeito a sanções disciplinares pela OA, por infrações aos deveres de boa conduta e zelo. E ainda existem o MP e os órgãos de polícia criminal, nos quais poderá ser feita a denúncia, que não sendo da sua competência, será reencaminhada para aquela instituição. Acresce ainda, quando se pretende ir além do campo disciplinar, nomeadamente, para fazer valer o direito a uma indemnização, existe indubitavelmente o recurso aos tribunais judiciais, o que até não provocará grande moça, porque o profissional liberal é titular de seguro de responsabilidade civil obrigatório.

Queremos deixar patente, repisando sobre o assunto, que mesmo nestas situações, o cidadão carenciado beneficia do sobredito benefício da proteção jurídica, com todas as regalias inerentes, desde as informações jurídicas, à propositura da ação, incidentes processuais supervenientes, eventuais recursos e dispensa da taxa de justiça e outros encargos.

Mas o pomus da nossa questão, são os honorários dos advogados.

Ora, já depois de ser instituída a liberalização de honorários, em 10 de março de 2016, encontramos a tabela que segue, subscrita por um professor, jurista e advogado, que pela sua importância reproduzimos na íntegra. Daqui dá para aferir o custo do serviço prestado como valor mínimo para a personagem em questão, não obstante lhe ser permitido alguns critérios subjetivos para a fixação do custo, sempre de acordo com o seu cliente.

Previamente, deixamos esta nota: abnegamos os honorários fixados pela Portaria 1386/2004, de 10 de novembro, porque claramente se tornaram muito cedo insuficientes para o desempenho do trabalho sub judice.

Mas também abnegamos a especulação de honorários. E sobre esta última figura, deixámo-la ex cogito, pois não nos quer parecer que seja isto que de imediato interesse saber. Não obstante, os mais curiosos poderão compulsar o diploma atualizado, Decreto-Lei n.º 28/84, de 20 de janeiro, em www.pgdlisboa.pt. Ressalta especialmente do art.º 35.º do predito diploma, que pratica o crime de especulação aquele que «alterar, sob qualquer pretexto ou por qualquer meio e com intenção de obter lucro ilegítimo, os preços que do regular exercício da actividade resultariam para os bens e serviços».

Ou seja, não se tratam de preços legais, mas certamente, teria o legislador pretendido transmitir, os preços que devem resultar da aplicação e encontro da lei da oferta e da procura, aqueles que o mercado em obediência à sã concorrência deve ditar; e ainda, aqueles preços, que do regular exercício da atividade resultariam para os bens e serviços, conforme nos transite o Dr. Marcelino António Abreu, com apoio de alguns textos jurisprudenciais.

TABELA DE HONORÁRIOS ADVOGADO

Quinta-feira, 10.03.16

Tabela de Honorários Mínimos

I

Serviços Avulsos

1-Consulta Oral                                                                                                          40 €

2- Consulta Escrita                                                                                                 100 €

3- Inspecção ao local na Comarca                                                                         60 €

4- Inspecção ao local fora da Comarca (excluído o transporte)                    100 €

5- Notificação Judicial                                                                                            150 €

6- Requerimento avulso de mero expediente                                                     50 €

7- Requerimento avulso com questões de fundo                                               80 €

II

Processos Judiciais

1- Comum Singular                                                                                                500 €

2- Comum Colectivo                                                                                            1000 €

3- Transgressão                                                                                                       200 €

4- Transgressão no Tribunal do Trabalho                                                         250 €

5- Sumário                                                                                                                250 €

6- Acção Sumaríssima a)

7- Acção Sumária                                                                                                    600 €

8- Acção Ordinária                                                                                              1 000 €

9- Divórcio por mútuo consentimento                                                               500 €

10- Divórcio litigioso não contestado                                                                 500 €

III

Recursos

1- Relação sem julgamento                                                                                   500 €

2- Relação com Julgamento                                                                              1 000 €

3- Supremo Tribunal de Justiça sem julgamento                                            750 €

4- Supremo Tribunal de Justiça com julgamento                                         1 500 €

5- Tribunal Constitucional                                                                                1 000 €

IV

Direito Administrativo

1- Recurso Hierárquico                                                                                         500 €

2- Recurso Contencioso                                                                                     1 000 €

V

Cobranças Judiciais, Extrajudiciais, Inventários e Partilhas Extrajudiciais b)

1- Até 500 €                                                                                                                20%

2- De 500 € a 2500 €, sobre o excedente                                                            15 %

3- De 2500 € a 5000 €, sobre o excedente                                                          12 %

4- Sobre o excedente a 5000 €                                                                              10 %

 

  1. a) Funcionam as regras previstas no n.º V desta Tabela.
  2. b) Poderão ser aplicados mínimos inferiores aos da Tabela a clientes para quem se façam habitualmente serviços.

Na fixação de honorários deve o advogado proceder com moderação, atendendo ao tempo gasto, à dificuldade do assunto, à importância do serviço prestado, ás posses dos interessados, aos resultados obtidos e à praxe do foro e estilo da comarca.

por cunha ribeiro às 21:32 (Só a tabela, pois o artigo é da autoria do blogger).

Sobre António Maria Barbosa Soares da Rocha

António Maria Barbosa Soares da Rocha
EM TERMOS ACADÉMICOS, o autor obteve o grau de Doutor em Direito pela Universidade de Salamanca nas áreas do Direito Administrativo, Financeiro e Processual - programa de doutorado "Administração, Finanças e Justiça, no Estado Social", com a tese subordinada ao tema «O representante da Fazenda Pública no Processo Tributário-Enquadramento Institucional e Regime Jurídico». Como investigador, defendeu temas científicos em universidades de renome, designadamente no I Congresso de Investigadores Lusófonos e no I Congresso de Derecho Transnacional. Consagrou-se Mestre pela Universidade Católica na área do Mestrado Geral em Direito, com a defesa da tese subordinada ao tema «Oposição Vs Impugnação Judicial», publicada pela editora daquela Universidade em Portugal e Brasil. Terminou a licenciatura em direito na Universidade Lusófona, embora a tivesse iniciado na Universidade de Coimbra onde concluíra o 2.º ano do curso. NO ÂMBITO PROFISSIONAL, exerce a atividade de JURISCONSULTO, é blogger, youtuber, e autor das obras com edições continuadas “Oposição Vs Impugnação Judicial”, “O Essencial sobre o Arrendamento Urbano”, “Minutas e Formulários - Anotados e Comentados”, “A Demanda e a Defesa nas Execuções Cíveis e Fiscais” e "Manual do Regime Jurídico do Arrendamento - A Narrativa, a Ciência, o Pragmatismo e o Pleito, no Arrendamento". O autor tem uma experiência superior a 30 anos como funcionário da Autoridade Tributária, passando por todas as metamorfoses da carreira até ocupar funções que se coadunam essencialmente com o direito. Em período precedente estivera ligado ao setor das telecomunicações, e de forma mais acentuada à mediação e direito dos seguros. NO CAMPO DESPORTIVO, é praticante de Karate Goju-Ryu e treinador reconhecido pelo IPDJ. Embora tenha iniciado essa prática com referência à linha do Mestre Taiji Kase, viria a ser consagrado cinto negro na vertente de Karate Shotokan pelo Mestre Hirokazu Kanazawa em 1999, e posteriormente, pelo estilo que ora pratica, da linha Okinawa Goju-Ryu Karatedo Kyokai.

Veja Também

Negócio jurídico associativo/Contas de gerência e documentos de suporte/Observância da forma_Pedido

Tweet Email Tweet Email PARA TODOS AQUELES QUE SE ENCONTREM MENOS FAMILIARIZADOS COM A MATÉRIA, ...