AMADO (OU AMADA) AUSENTE

AMADO (OU AMADA) AUSENTE

Este soneto, publicado na categoria “”Outras” deste Blog, é dedicado com o grau máximo do meu carinho, a uma pessoa que se encontra algures no norte de Portugal. Entre ambos existiu uma simbiose quase perfeita, mística, irreconhecível, excelsa, aparentemente incomparável, e que a vida não conseguiu unir no momento crucial, deixando a esperança para uma vida quiçá sobrenatural, à qual se ascenderá no momento em que a Providência determinar.

Relativamente à primeira estrofe do soneto que segue, destaca-se com especial relevo a policemia do texto.

No segundo parágrafo, destaca-se a antítse entre os quatro versos.

E no fundo persiste o mais enlevado dos sentimentos, sobre o qual nem todos teremos a adequada vivência por infortúnio da própria vida.

Previamente referem-se breves notas:

Ausente d´alma, significa afastada do amado(a);

Morte, é a morte espiritual, motivada pela ausência, significando nalguns casos a morte física.

EI-LO:

Se apartada do corpo a doce vida,

Domina em seu lugar a dura sorte,

De que nasce tardar-me tanto a morte,

Se ausente d´alma estou, que me dá vida?

 :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Não quero sem Silvano já ter vida,

Pois tudo sem Silvano é viva morte;

Já que se foi Silvano venha a morte,

Perca-se por Silvano a minha vida.

 :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Ah! Suspirado ausente, se esta morte

Não te obriga a querer vir dar-me vida,

Como não me vem dar a mesma morte?

 :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

Mas se n´alma consiste a própria vida,

Bem sei que não me tarda tanto a morte

Que é porque sinta a morte de tal vida.

 :::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

(Poetisa anónima)

Sobre Antonio Soares da Rocha

Antonio Soares da Rocha
O autor tem uma experiência superior a 30 anos como funcionário da Autoridade Tributária, passando por todas as metamorfoses da carreira até ocupar funções de jurista e representante da Fazenda Pública. Em período precedente estivera ligado ao setor das telecomunicações, à mediação e direito dos seguros. Terminou a licenciatura em direito na Universidade Lusófona. Adquiriu a qualificação de Mestre em Direito na Universidade Católica com a defesa da tese na área do Direito Fiscal, e publicada pela editora daquela Universidade em Portugal e Brasil. Investigador da Universidade do Minho, defendeu como congressista temas científicos em universidades de renome. É autor de algumas obras com edições continuadas, designadamente “Oposição vs Impugnação Judicial”, “O Essencial sobre o Arrendamento Urbano”, “Minutas e Formulários – Anotados e Comentados” e "A Demanda e a Defesa nas Execuções Cíveis e Fiscais". Em termos desportivos, é praticante de Karate Goju-Ryu e treinador reconhecido pelo IPDJ. Embora tenha iniciado essa prática com referência à linha do Mestre Taiji Kase, viria a ser consagrado cinto negro na vertente de Karate Shotokan pelo Mestre Hiroku Kanazawa em 1999, e posteriormente, pelo estilo que ora pratica, da linha Okinawa Goju-Ryu Karatedo Kyokai.

Veja Também

Dia da mãe

Tweet Email Tweet Email(Artigo editado a 01 – 05 – 2016) Tal como conchas boiando ...