Saúde/Hospital Privado Vs Público/É para operar

Saúde/Hospital Privado Vs Público/É para operar

É PARA OPERAR!…
Oh necessidade a quanto obrigas!
Falamos com frequência dos objetivos que os profissionais da medicina devem cumprir por imposição da sua entidade patronal. E ainda com mais veemência, quando um profissional da mesma área, exerce a atividade por conta própria, quer seja como empresário em nome individual, que r seja ao serviço de pessoa coletiva, cujo substrato pessoal este integra.
Tal como já tive o cuidado de transmitir numa das minhas obras literárias, trabalhar com objetivos em determinadas atividades profissionais, é de bradar aos céus, e a saúde é um dos típicos exemplos que deveria fugir à regra.

Conversava ontem com um amigo, por coincidência enfermeiro no Hospital Santos Silva, de Vila Nova de Gaia, e tornou-se enriquecedora a troca de impressões, sendo que um dos lados tem afinidade específica e efetiva com a área da saúde.

Concluímos, que o modo de tratar os pacientes nem sempre é curial, sendo não raras vezes, desprovido dos mais amplos princípios de natureza moral, ética, deontológica e social.

Concluímos ainda, que os médicos, ou eventualmente enfermeiros, a quem imputamos práticas de tal índole, não fazem um juízo de prognose póstuma, o que configura um ato de deformação profissional. Todos existimos, todos temos família, e nem isso nos leva a pensar, que existe a suscetibilidade de que um dia se poderão inverter os termos da situação.

Ora, na continuidade da conversa, fiz o relato de duas situações que se passaram comigo, no Hospital da Luz-Arrábida, onde fui submetido a duas intervenções cirúrgicas, uma aos joelhos, e outra ao nariz. No que concerne à primeira, ocorrida no ano de 2005, constatou-se apenas no momento da intervenção, ou seja, depois de todos os exames de diagnóstico, incluindo ressonância magnética, que o joelho esquerdo não necessitava de qualquer intervenção! E o médico perguntou:

– António! Isto tem apenas uma plica! Queres que tire?

Respondi:

– Se isso não é preciso para nada, podem tirar!…

Conclusão: neste joelho, a intervenção foi rápida. Porém quando me foram operar ao direito, esqueceram-se do garrote no esquerdo, o que me viria a provocar uma tromboflebite. No ano subsequente, tive de ser operado novamente, sendo que o esquerdo era, e ainda continua a ser, o que tem mais fraco desempenho. Em conversa com um familiar ortopedista, este disse “As plicas não se retiram!”

E a saga continuava… No ano de 2008, exatamente no mesmo estabelecimento hospitalar, ex vi de rinite alérgica, há um professor universitário, que resolve operar-me ao nariz, convencendo-me com o seu apregoado sucesso. Danificou-me os incisivos, e como esta operação fora efetuada sob anestesia geral, não sei que mais me terá feito! ABRENÚNCIA!

Em 2015, senti a necessidade de fazer alguns exames de diagnóstico, e o otorrinolaringologista não fugiu à regra. Desta vez escolhi o meu ancestral otorrino, chefe do sobredito professor universitário, que imbuído das suas comuns, simplicidade, competência e humildade, me diz em tom relevante:

– Eu não lhe tinha dito que a rinite alérgica não se opera?!!!

A ouvir a conversa entabulada entre mim e o enfermeiro, estava outro amigo, médico no IPO, que veementemente criticou médicos que têm comportamentos reprováveis no foro oncológico, utilizando com ênfase a expressão «negligência grosseira», e a do cirurgião que sempre dizia “É para operar”.

Com toda a pujança reitero “Isto é de bradar aos céus!”

Estamos numa sociedade que deixou de considerar o animal como “coisa”! Mas não deixamos a sociedade que trata o ser humano como objeto! E todo o profissional da saúde não deve esconder-se sob a capa da legis artis, sendo que a assunção da verdade é que faz de si o verdadeiro ser!

Sobre Antonio Soares da Rocha

Antonio Soares da Rocha
O autor tem uma experiência superior a 30 anos como funcionário da AT, onde desempenhou funções de funções de jurista e representante da Fazenda Pública. Em período precedente estivera ligado ao setor das telecomunicações, à mediação e direito dos seguros. Terminou a licenciatura em direito na Universidade Lusófona. Adquiriu a qualificação de Mestre em Direito na Universidade Católica com a defesa da tese na área do Direito Fiscal, e publicada pela editora daquela Universidade em Portugal e Brasil. Investigador da Universidade do Minho, defendeu como congressista temas científicos em universidades de renome. É autor de algumas obras com edições continuadas, designadamente “Oposição vs Impugnação Judicial”, “O Essencial sobre o Arrendamento Urbano”, “Minutas e Formulários – Anotados e Comentados” e "A Demanda e a Defesa nas Execuções Cíveis e Fiscais". Em termos desportivos, é praticante de Karate Goju-Ryu e treinador reconhecido pelo IPDJ. Embora tenha iniciado essa prática com referência à linha do Mestre Taiji Kase, viria a ser consagrado cinto negro na vertente de Karate Shotokan pelo Mestre Hiroku Kanazawa em 1999, e posteriormente, pelo estilo que ora pratica, da linha Okinawa Goju-Ryu Karatedo Kyokai.

Veja Também

A Demanda e a Defesa nas Execuções Cíveis e Fiscais – Introdução*Agradecimento (Aos filhos)*Dedicatória (A colegas e ex-colegas)

Tweet Email Tweet Email http://livraria.vidaeconomica.pt/juridico/1748-a-demanda-e-a-defesa-nas-execucoes-civeis-e-fiscais-9789897683756.html INTRODUÇÃO Esta obra começou a ser concebida para se restringir ...