DEONTOLOGIA NO DESPORTO

DEONTOLOGIA NO DESPORTO

Existem diversas situações na vida que são incontornáveis. Uma delas será reverter o processo de crescimento – seria um ato contra natura. Outro, seria o homem viver absolutamente isolado – parafraseando Aristóteles “O homem é um ser social. O ser capaz de viver isoladamente é um Deus ou uma besta, mas nunca um ser humano.” OUTRAS, têm origem mais empírica, e daí o dizer-se com frequência que há situações que não voltam atrás: Como a flecha desferida, a palavra proferida e a oportunidade perdida. Relativamente a esta última, há muita especulação, porque os responsáveis técnicos nas diversas áreas não têm por vezes a perspicácia suficiente para aferir da capacidade do praticante ou do árbitro, da sua personalidade, da sua ambição, da sua propensão, e do seu caráter, mormente no que concerne à isenção. Reconheço, que na generalidade não têm culpa, pela já aludida deficiente formação, pois, cada ser humano é de per se potencialmente imperfeito, não podendo abarcar todos, a panóplia de conhecimentos que o mundo nos concede. E ISTO É TOLERÁVEL.

Mais INTOLERÁVEL, é quando os responsáveis de determinada área ou áreas, criam as suas afinidades pessoais, algumas transfiguradas num recanto do seu cérebro, e desempenham o triste papel paralelo ao dos políticos – o epicentro dos interesses. E tudo roda à sua volta, parecendo correr sobre rodas bem oleadas. POR FAVOR…, Senhores Instrutores, Monitores, Responsáveis Técnicos e Treinadores de Desporto – na prática de um desporto, independentemente de se tratar de artes marciais ou não, e por extensão, em todas as situações da vida em geral, há uma regra – A VIDA HUMANA É SAGRADA E INVIOLÁVEL, TUDO O RESTO GIRA À VOLTA DELA (Palavras de Dom António Ferreira Gomes, antigo Bispo do Porto). Tudo o que seja coartar, contradizer, lesar, o que a providência individualmente nos concedeu, ou que provém de um esmerado esforço, é ofensa, mutilação, que redunda em frustração de mais um/uns seres humanos, a quem outro/outros seres humanos (menores) não têm o direito de furtar ou restringir a felicidade – SAPIENTI SAT.

 

Sobre Antonio Soares da Rocha

Antonio Soares da Rocha
O autor tem uma experiência superior a 30 anos como funcionário da AT, passando por todas as metamorfoses da carreira até ocupar funções de jurista e representante da Fazenda Pública. Em período precedente estivera ligado ao setor das telecomunicações, à mediação e direito dos seguros. Terminou a licenciatura em direito na Universidade Lusófona. Adquiriu a qualificação de Mestre em Direito na Universidade Católica com a defesa da tese na área do Direito Fiscal, e publicada pela editora daquela Universidade em Portugal e Brasil. Investigador da Universidade do Minho, defendeu como congressista temas científicos em universidades de renome. É autor de algumas obras com edições continuadas, designadamente “Oposição vs Impugnação Judicial”, “O Essencial sobre o Arrendamento Urbano”, “Minutas e Formulários – Anotados e Comentados” e "A Demanda e a Defesa nas Execuções Cíveis e Fiscais". Em termos desportivos, é praticante de Karate Goju-Ryu e treinador reconhecido pelo IPDJ. Embora tenha iniciado essa prática com referência à linha do Mestre Taiji Kase, viria a ser consagrado cinto negro na vertente de Karate Shotokan pelo Mestre Hiroku Kanazawa em 1999, e posteriormente, pelo estilo que ora pratica, da linha Okinawa Goju-Ryu Karatedo Kyokai.

Veja Também

Dia da mãe

Tweet Email Tweet Email(Artigo editado a 01 – 05 – 2016) Tal como conchas boiando ...